Custo-benefício do seguro residencial é chave para sua popularização

À medida em que cada vez mais brasileiros passam a ter acesso a bens como casa própria, carros, eletrodomésticos e equipamentos de tecnologia, a preocupação com a conservação e proteção dos bens cresce. Porém, apesar de a demanda por seguros residenciais estar em uma trajetória ascendente, ainda existe espaço para expansão, já que aproximadamente apenas 13% da população conta hoje com essa proteção, segundo dados da FenSeg. Em outras palavras, dos 68 milhões de domicílios do Brasil, somente 9,1 milhões deles estão protegidos.
Existem diversas opções de produtos com diferentes valores de indenização, que levam em conta o porte dos imóveis ou aspectos estruturais específicos. Alguns pacotes podem oferecer assistências inerentes a cada um dos incidentes, além de serviços de manutenção como conserto ou substituição de itens da casa. Serviços de encanador, eletricista e chaveiro estão entre os mais utilizados, segundo pesquisa realizada pela Assurant em março de 2018 com a sua base de clientes: 35% dos respondentes consideram esses serviços atrativos na hora de contratarem um seguro residencial, enquanto 15% valorizam o serviço de conserto de equipamentos.

  1. Os benefícios de proteger o lar podem ser usufruídos mesmo quando não ocorre um acidente ou roubo. Isso porque são oferecidos serviços de conveniência aos clientes em caráter emergencial, como visitas de eletricistas, encanadores, instalação de prateleiras, limpeza de ralos e calhas, ou até mesmo realização de pequenos reparos, durante todo o período de vigência do seguro ou microsseguro;
  2. O serviço de chaveiro também é um benefício que vale muito a pena, pois contempla abertura da porta e confecção de chave simples em caso de perda, quebra dentro da fechadura, roubo ou furto;
  3. Se houver sensação de perigo ou ameaça à família ou bens, é possível solicitar a presença de um vigilante durante a situação de risco;
  4. Há serviços também disponibilizados em grandes centros urbanos como PET Spa, delivery de ração e até um veterinário 24 horas para casos de urgência.

Fonte: Revista Apólice.

14 de Novembro – Dia Mundial do Diabetes

Atualmente, a Diabetes é a mais comum das doenças não transmissíveis com elevada prevalência e incidência crescente. Atinge já cerca de 415 milhões de pessoas em todo o mundo e continua a aumentar em todos os países, estimando-se que em 2040 haja um aumento para 642 milhões de pessoas atingidas pela doença. À nossa escala, Portugal posiciona-se entre os países europeus que registam uma das mais elevadas taxas de prevalência da Diabetes a qual foi estimada em 13,3% da população portuguesa com idades compreendidas entre os 20 e os 79 anos, o que corresponde a mais de um milhão de indivíduos, de acordo com os últimos dados do Observatório Nacional da Diabetes.

O símbolo do Dia Mundial da Diabetes é um círculo azul desde 2007, ano em que se torna um Dia das Nações Unidas. O círculo representa a união e é um símbolo universal de Vida e Saúde. O Azul representa a cor do céu que une todas as nações da Terra e é também a cor da bandeira das Nações Unidas. O símbolo do círculo azul representa a unidade necessária da comunidade Global para responder à ameaça da pandemia de Diabetes.

Por que ter um seguro de Vida?

O Seguro Vida oferece coberturas que asseguram que nem você nem sua família fiquem desamparados financeiramente em casos de acidentes, doenças ou outros imprevistos. Escolha coberturas conforme suas necessidades e fique tranquilo hoje para enfrentar os imprevistos em todas as situações.

AYUMI Seguros

Liberty – Fique atento! Banco Santander exigirá autorização de débitos aos clientes.

A partir de 01/11/2018, o banco Santander passará a exigir a autorização de débitos para seguros novos ou seguros emitidos com parcelas abaixo de R$ 60,00, a autorização deve ser realizada pelo correntista.

Essa autorização deve ser feita pelo cliente até as 20 horas do dia do vencimento da parcela.

O cliente deverá autorizar o convênio para que ocorra a recorrência e assim trazer comodidade e evitar pendência de autorização em cobranças futuras relacionadas ao mesmo seguro.

O segurado deverá acompanhar o agendamento do débito em seu extrato de conta corrente e efetuar a autorização do mesmo pelos canais do próprio banco (Mobile Banking (aplicativo no celular), Internet Banking, Terminais de atendimento (caixa eletrônico) ou agência).

Como funcionará este processo:

  • A Liberty enviará antecipadamente as primeiras parcelas, para que o segurado tenha mais tempo para solicitar esta autorização (enviaremos com dois dias da data de emissão).
  • Demais parcelas serão enviadas com 05 dias de antecedência do vencimento da parcela.
  • Os casos que retornarem por falta de autorização, serão gerados novos boletos automaticamente da parcela não autorizada, com mais 08 dias sem cobrança de juros, e enviados por e-mail para cliente, segurado e força de vendas, avisando que para o débito da próxima parcela se faz necessário a autorização pelo cliente.

Todos os seguros que já efetuamos um Débito nos últimos seis meses, com parcelas acima de R$ 60,00 não necessitarão desta autorização.

FONTE: Liberty Seguros.

18/10 Dia do Médico – Seguro de Responsabilidade Civil para Profissionais da Saúde chega ao mercado.

 

O R C Profissional é um produto completo para proteção contra os principais riscos da profissão, com coberturas que incluem despesas de defesa, Indenizações, acordos entre outras situações.

 

 

 

 

Situações em que o seguro para médicos se aplica:

Omissão de Socorro

Caso o segurado, no caso o profissional de saúde, seja acusado de ter praticado omissão de socorro relacionado ao seu serviço profissional, o programa do seguro pode cobrir todas as despesas para a defesa judicial do segurado possibilitando que o mesmo lute para provar sua inocência.

Infecção Hospitalar

Caso o profissional de saúde seja citado em uma ação judicial decorrente de infecção hospitalar, com o paciente tendo contraído a infecção sob responsabilidade do segurado, o seguro cobrirá os gastos com defesa do segurado e eventual pagamento de indenização ao terceiro.

Chefe de Equipe ou Diretor

Caso o segurado pela apólice ocupe o cargo de chefe de equipe ou diretor médico, o presente seguro cobrirá a eventualidade mesmo que o ato médico tenha sido praticado por outro profissional sob responsabilidade do segurado.

Cobertura à Pessoa Jurídica

Caso o profissional segurado possua uma empresa para desempenho de atividades extra, e essa empresa sofra uma reclamação por determinado ato médico, o seguro pode ser acionado e estendido para defender a causa da pessoa jurídica.
Ficou curioso? Entre em contato conosco e conheça um pouco mais sobre esta modalidade de seguro.

 

 

 

 

FONTE: Argo Seguros

Cresce numero de estudantes brasileiros no exterior, gerando inovações em seguros viagens.

Com o aumento de estudantes brasileiros no exterior, os planos de seguro viagem se adequam às demandas deste público

De acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira de Agências de Intercâmbio (Belta), o mercado brasileiro de educação estrangeira cresceu 23%, em 2017, e alcançou a marca inédita de 302 mil estudantes no exterior.

O investimento para um curso no exterior também aumentou 12%, atingindo a média de USD 9.989. No total, o brasileiro movimentou entre 2,7 e 3 bilhões de dólares em programas educacionais, no ano passado.

A análise reflete alguns números da pesquisa. Pela primeira vez, os programas de mestrado e doutorado apareceram entre os 10 mais procurados, mesmo com a queda do investimento público em bolsas de estudo. A demanda por cursos de graduação e certificados profissionais também aumentou, ao mesmo tempo que programas de ensino médio perderam força.

Entre os destinos mais procurados, praticamente um a cada quatro estudantes viajaram para o Canadá (23%). O país é acompanhado pelos Estados Unidos (21,6%), Reino Unido (10,2%), Nova Zelândia (6,9%) e Irlanda (6,5%). No total, 39 destinos apareceram como opções dos brasileiros. Esta movimentação de estudantes brasileiros no exterior tem provocado o positivo surgimento de negócios especializados no atendimento e suporte aos viajantes.

 

FONTE: CQCS – Centro de Qualificação de Corretores de Seguros.

Aumento de roubos amplia oferta de ‘falsos’ seguros para celulares.

Uma pesquisa recente do Mobile Time/Opinion Box constatou que 49% dos brasileiros tiveram o celular roubado ou furtado ao menos uma vez. Como consequência, cresceu a procura por proteção para os aparelhos. E, assim como aconteceu no ramo de veículos, surgiram serviços alternativos ao seguro, de menor custo, mas que trazem riscos ao consumidor, entre eles o de não ser reembolsado.

Associações, cooperativas e empresas do chamado compartilhamento de risco se multiplicam, no que a Superintendência de Seguros Privados (Susep) chama de “mercado marginal” – impulsionado pela “proteção veicular”, que já virou caso de polícia – com ofertas que vão da área de saúde à assistência funeral. Trata-se de produtos vendidos como seguro, mas que não têm as mesmas garantias daqueles comercializados pelas seguradoras.

Carlos de Paula ressalta que, por não terem de responder a nenhum órgão superior, nem serem obrigadas a constituir reservas, as empresas sem registro na Susep podem não cumprir o prometido quando acionadas pelo consumidor.

Entre os novos serviços em oferta no mercado, houve até “seguro contra haters”. Na verdade era um plug-in para bloquear comentários maldosos em redes sociais. Depois de notificada pela Susep, a empresa suspendeu a oferta do produto.

 

FONTE: O Globo

10 dicas de como falar sobre educação financeira infantil

A criança brasileira passa pelo Ensino Fundamental e Médio sem ouvir uma palavra sobre educação financeira. Em casa, o assunto também passa ao largo das conversas do dia a dia. Gestão do dinheiro parece até frase proibida. Dicas de educação financeira? Jamais.

Pois bem. Segue o jogo. Ela se torna adolescente, vai para a faculdade e…lá, exceto se estiver curando Administração, Ciências Contábeis ou Economia, também não vai ver nenhuma aula sequer dedicada a como gerenciar suas finanças pessoais quando for profissional e tiver um salário para administrar.

Escuridão financeira na infância = endividamento crônico na idade adulta

O resultado disso é a formação de uma nação de adultos consumistas compulsivos, de endividados crônicos, de cidadãos que não fazem a menor ideia do papel que o dinheiro deve ocupar em suas vidas.

E esse cenário negro é matematizado por meio das péssimas estatísticas que vemos todos os dias nos noticiários: 62% dos brasileiros não guardam dinheiro; 44% deles consideram impossível levantar R$ 2.500 em uma necessidade de emergência; 47% dos inadimplentes, em julho de 2017, estavam “muito endividados” (ou seja, estavam com o nome sujo e perderam completamente o controle de suas finanças pessoais).

Tudo isso é produto de uma sociedade que não ensina seus filhos sobre gestão do dinheiro. E se em sua casa, você também não tem o hábito de trabalhar a consciência financeira de suas crianças, creia nisso, provavelmente você está contribuindo para a formação de mais alguns futuros adultos pródigos, focados apenas no presente, desprovidos da capacidade de planejar o futuro e perdidos quando o assunto é “construir patrimônio”.

Mas ainda há tempo. Se você está aqui, é porque quer reverter essa espiral de desinformação. Educação se dá em casa. A financeira também.

Dessa forma, confira abaixo as dicas que preparamos sobre educação financeira para crianças. Acompanhar este artigo é altamente recomendável, até porque, lembre-se que se seu filho for um adulto endividado, é em seu socorro que ele correrá. Melhor prevenir isso com formação desde cedo, certo? Então mãos à obra!

1. Aproveite o momento em que elas começam a contar

Sua criança já começou a aprender a contar? Então você já pode começar a introduzir o tema, por meio de atividades lúdicas ou desenhos animados que mostrem à criança a importância de guardar parte do que se tem.

Quer um exemplo? A BM&F Bovespa lançou há alguns anos o programa Turma da Bolsa, uma série infantil com vários episódios em que um porquinho ensina um adulto sobre como lidar com suas finanças pessoais. Excelentes dicas de educação financeira para crianças até 10 anos.

2. Use a mesada como laboratório para o aprendizado

Além de estimulá-la com jogos e leituras de livros infantis sobre educação financeira, use a mesada como um momento através do qual a criança pode simular tudo o que vem aprendendo de vocês (pais) ou dos materiais que lhe são oferecidos.

A mesada deve ser uma “prova prática” sobre como a criança está assimilando seus conhecimentos sobre educação financeira.

Mas atenção: nada de relacionar mesada a estudo! A criança deve entender desde cedo que, assim como os adultos, ela também possui algumas obrigações que devem ser cumpridas e uma delas é o estudo, o qual está completamente desvinculado a prêmios financeiros.

Ela não deve receber um prêmio por boas notas. Estudar é reponsabilidade da criança e ela deve entender isto.

3. Mostre a importância de poupar e de gastar melhor o dinheiro

O dinheiro é apenas um instrumento para que alcancemos nossos sonhos e objetivos materiais. Isso deve ficar claro para a criança desde os primeiros anos de vida. Há uma parcela do que ganhamos que deve ser usada para lazer, outra para investimentos. E você pode mostrar isso sem dar sermão e de uma forma que fique clara para seu pequeno.

Quer saber como?

Você pode dar dicas de educação financeira relevantes, na prática, adesivando 4 “cofrinhos porquinhos”, cada um contendo respectivamente as palavras “investimento”, “doação”, “despesas” e “poupança”.

O porquinho “despesas” se destina ao cumprimento de objetivos de curto prazo, caso de um lanche ou um sorvete, por exemplo. O porquinho “poupança”, por sua vez, deve ser direcionado para objetivos de médio prazo (caso de um brinquedo, que só poderá ser comprado com alguns meses/anos de economia).

Já pensou que interessante se seu filho fosse capaz, desde cedo, a materializar seus sonhos, comprando — ele mesmo — um brinquedo que sempre quis?

Eis um belíssimo protótipo do que é a vida. Hoje ele junta dinheiro e aprende a fazer o esforço financeiro necessário para comprar um brinquedo. Amanhã, fará o mesmo com seu salário, mas para comprar um carro ou sua casa própria. Isso é construir patrimônio. Desde cedo.

Por fim, a conta “investimentos” deve se relacionar ao longo prazo, uma reserva financeira para a vida da criança. O último cofrinho é “doação”, uma vez que é imprescindível que o pimpolho seja estimulado desde pequeno a ser altruísta, desenvolvendo os sentimentos de empatia, união e compartilhamento.

4. Não cometa os “4 erros crassos” da educação infantil

  • dar ao filho tudo o que você não teve;
  • tentar fazer seu filho feliz 100% do tempo;
  • comprar bom comportamento;
  • não entender que o melhor exemplo vem de casa;

Autoexplicativo, não? A propósito, você comete alguns desses erros?

5. Fale sobre o poder do tempo

Paciência é uma virtude ausente na maioria das crianças de hoje. Na era do imediatismo impulsionado pela internet, pelo celular e pelas redes sociais, todos querem tudo e para ontem.

Em virtude disso, faz parte das dicas de educação financeira ensinar seus filhos que o tempo é o senhor das maiores vitórias. Ela nos amadurece, nos prepara para recebermos o que sonhamos. Faz com que nossa conquista se torne mais sólida e menos suscetível a perdas futuras.

A criança deve entender que juntar dinheiro é uma maneira de atingir seus alvos, mas isso depende de tempo. E ele precisa ser respeitado. Com paciência, foco e persistência.

6. Esclareça a diferença entre básico e supérfluo

O que é básico? O que é útil? E o que é essencial? Não é fácil para uma criança responder isso. Até porque os próprios adultos não sabem bem distinguir essas 3 coisas. Não fosse assim o país não teria 58 milhões de pessoas com dívidas em atraso, conforme registrado pelo SPC em março de 2017.

Gastos com estudo são básicos; despesas com guloseimas, por exemplo, são úteis (sob o ponto de vista da criança), desde que em medida racional; gastos excessivos com brinquedos podem ser supérfluos, especialmente se a caixa de brinquedos da criança já estiver lotada.

Trabalhe esses conceitos (que, evidentemente, variam de família para família). Mas é preciso que seu filho tenha a consciência de que priorizar é preciso. Até porque, em geral, propagandas infantis incitam nos pequenos o desejo incontrolável de ter algo supérfluo. Explique a ele essas diferenças.

7. Explique como funciona o cartão de crédito

Cartão de crédito não é varinha de condão. Você já explicou isso aos seus filhos? Provavelmente não, certo?

Pois explique ao seu filho o que é e como funciona um cartão de crédito. Que as empresas que te dão o cartão emprestam dinheiro e ficam esperando que você não consiga pagar o que gasta. Então elas te obrigam a pagar o dobro, o triplo do que deveria. E se isso acontecer, você não conseguirá comprar mais nada em casa, porque vai virar uma espécie de escravo da empresa.

Mas um cartão de crédito pode não ser um vilão tão cruel, desde que saibamos usá-lo com cuidado. Gastando apenas o que temos.

Aproveite a oportunidade para falar sobre juros, um tipo de punição que o banco impõe por ter pegado dinheiro emprestado com ele. Eis uma das mais importantes dicas de educação financeira às crianças.

8. Enfatize que dinheiro é consequência do esforço (físico e mental) dos pais

Transmita à criança que salário é o valor pago pelo esforço que você faz mensalmente ficando até tarde no trabalho e fazendo horas-extras, por exemplo, o que significa menos tempo com a família.

Se você gastar demais, vai ter que ficar mais tempo no escritório e, com isso, provavelmente ficará menos tempo com seus filhos. Explique quais são suas atividades diárias e o valor da hora trabalhada. Essa consciência vai dar maior concretude à origem do dinheiro e possivelmente tornará seu filho mais compreensivo com o velho “eu não tenho dinheiro”.

Até porque ele certamente não vai querer ficar menos tempo com o pai/mãe, certo?

9. Inclua a criança em pequenas decisões financeiras

Educação financeira é a arte de renunciar, de fazer escolhas que abrem mão do presente em nome do futuro. Em geral, para alcançarmos o que desejamos, temos que desistir de outras coisas, ainda que temporariamente. Inclua seus filhos nas decisões financeiras para que eles aprendam essa máxima.

Comece esse exercício, na prática, no supermercado. Separe um valor, entregue nas mãos dele e diga que ele terá de escolher quais produtos levar com a quantia que possui. As dicas de educação financeira que estimulam a prática devem ser sempre enfatizadas pelos pais.

10. Ensine que dinheiro não é tudo

É importante destacar que dinheiro não é tudo. Trata-se tão somente de um instrumento para que possamos vivenciar uma experiência ou ter um bem. É só um meio, não um fim. Será que seu filho tem esse conhecimento?

Existem valores mais relevantes na vida, como ter momentos agradáveis em família, brincar com seus amigos, ser bom com o próximo (lembra das doações?), entre outros.

11. Leia e estimule seus filhos e lerem sobre educação financeira

Alguns livros úteis sobre o tema:

Para eles

  • Dinheiro, Dinheirim, Moeda No Cofrim;
  • Meu cofrinho, Meu Futuro;
  • Quando 1+1=3;
  • Almanaque Maluquinho – Pra que dinheiro?;
  • A Economia de Maria;

Para você

  • Educação Financeira Para Crianças – Volume 4;
  • Pais Inteligentes Enriquecem Seus Filhos;

Quer ver outros livros sobre educação financeira para crianças? Clique aqui!

12. Mostre a eles a importância de ter produtos como previdência privada

Em uma época de rombos bilionários no INSS, provavelmente quando chegar a vez de seus filhos, não haverá mais aposentadoria pública. Por isso, explique a eles a importância de ter uma previdência privada para quando ele tiver a idade de seus avós.

É importante que você também tenha esse tipo de plano, a fim de que possa estar com seus filhos, mantendo o mesmo padrão de vida, quando chegar sua vez de parar de trabalhar.

13. Jogos que podem ser usados para ensinar finanças para crianças

Por fim, entre as dicas de educação financeira aos pequenos, não poderíamos deixar de recomendar alguns jogos para trabalhar o aspecto cognitivo das escolhas, renúncias e planejamento futuro. Alguns jogos para você desenvolver essas habilidades em seus filhos:

  • Banco Imobiliário Kids Disney Júnior (Estrela) – Acima de 5 anos;
  • Jogo da Mesada (Estrela) – Acima de 6 anos;
  • Jogo da Vida (Estrela) – Acima de 7 anos:
  • Banco Imobiliário (Estrela) – Acima de 8 anos.

Agora que você aprendeu essas dicas de educação financeira para aplicar na formação de seus filhos! E se quiser saber mais sobre como falar com os pequenos, baixe nosso guia especial de educação financeira infantil.

Fonte: Site Mongeral Aegon

Comprar seguro parece simples, mas não é.

Você compra um carro novo e pode sair da concessionária já coberto por uma apólice de seguro contra danos, roubo e incêndio. Você vai ao banco e o gerente lhe oferece seguro residencial, planos de previdência e títulos de capitalização a preços módicos e com débito do prêmio direto em sua conta corrente.

Hoje tudo é mais fácil no mundo, e o mercado de seguros não é exceção. Por isso mesmo, para evitar dissabores no futuro, você deve saber que a compra de seguros exige diversos cuidados. Na verdade, para a maioria da população, contratar seguro pode ser bem complicado.

Daí a importância do corretor de seguros que pode ser um indivíduo (pessoa física) ou empresa e é legalmente autorizado a angariar e promover contratos de seguro entre as seguradoras e seus clientes. As seguradoras, em geral, não vendem seguro diretamente aos interessados.

O corretor é remunerado por meio de uma comissão dada por uma porcentagem do valor do prêmio pago pelo segurado. A comissão é incluída no preço do seguro, daí que o corretor tem o dever legal de lhe prestar um bom atendimento, estar disponível quando o cliente tiver dúvidas ou precisar de ajuda em caso de sinistro. Não sendo empregado da seguradora, o corretor está em posição estratégica para ajudar o cliente a buscar o produto que melhor atenda aos seus desejos e, ao mesmo tempo, para desenvolver o mercado para as seguradoras.

(Fonte: Portal Tudo Sobre Seguros. Clique para ver mais)

 

hand-853188_640

Por isso que oferecemos as melhores soluções em análise e implementação de planos de benefícios para a satisfação de clientes internos de empresas de médio e grande porte, além do atendimento do público em geral com seguros, consórcios e produtos financeiros. Saiba mais, entre em contato conosco.

O que você precisa? Estamos aqui para ajudar!

Nós aqui na AYUMI acreditamos que o detalhe faz cada vez mais a diferença. Por isso, temos também como foco do nosso trabalho, além dos produtos que oferecemos, a intenção de estarmos sempre presente junto aos nossos parceiros.

Como prática disso, ofereceremos treinamentos que capacitam e qualificam equipes de trabalho. O último desse tipo de evento que nós realizamos aconteceu no último dia 23 de junho, e contou com a participação de aproximadamente 50 pessoas. Na ocasião, todos puderam entender melhor as diversas facetas do Seguro Fiança-Locatícia, um tema bastante atual, haja vista o aumento no número de locações de imóveis residenciais e comerciais.

É a AYUMI SEGUROS sempre presente para te ajudar!

ayumi_segurofiancalocaticia

 

Confira a seguir as datas dos feriados nacionais de 2016. E redobre a atenção com a manutenção do carro.

Nós já dissemos inúmeras vezes aqui no blog sobre a importância de revisar itens básicos de segurança, mecânica e documentação caso esteja planejando uma viagem de carro (confira mais detalhes clicando aqui).

Além disso, tenha também em dia o seguro auto, que poderá ajuda-lo em caso de eventuais acidentes ou outros imprevistos. Se você ainda não tem o seu, entre em contato conosco e conheça nossas condições especial.

E para que você possa se planejar sua viagem com a antecedência necessária, listamos a seguir os feriados nacionais desse ano de 2016, conforme publicado pelo governo federal no Diário Oficial da União:

  • 8 de fevereiro (segunda): Carnaval
  • 9 de fevereiro (terça): Carnaval
  • 10 de fevereiro: quarta-feira de Cinzas
  • 25 de março (sexta): Paixão de Cristo
  • 21 de abril (quinta): Tiradentes
  • 1º de maio (domingo): Dia Mundial do Trabalho
  • 26 de maio (quinta): Corpus Christi
  • 7 de setembro (quarta): Independência do Brasil
  • 12 de outubro (quarta): Nossa Senhora Aparecida
  • 2 de novembro (quarta): Finados
  • 15 de novembro (terça): Proclamação da República
  • 25 de dezembro (domingo): Natal

ayumiseguros_manutencacarro_estradas

Foto: reprodução