Custo-benefício do seguro residencial é chave para sua popularização

À medida em que cada vez mais brasileiros passam a ter acesso a bens como casa própria, carros, eletrodomésticos e equipamentos de tecnologia, a preocupação com a conservação e proteção dos bens cresce. Porém, apesar de a demanda por seguros residenciais estar em uma trajetória ascendente, ainda existe espaço para expansão, já que aproximadamente apenas 13% da população conta hoje com essa proteção, segundo dados da FenSeg. Em outras palavras, dos 68 milhões de domicílios do Brasil, somente 9,1 milhões deles estão protegidos.
Existem diversas opções de produtos com diferentes valores de indenização, que levam em conta o porte dos imóveis ou aspectos estruturais específicos. Alguns pacotes podem oferecer assistências inerentes a cada um dos incidentes, além de serviços de manutenção como conserto ou substituição de itens da casa. Serviços de encanador, eletricista e chaveiro estão entre os mais utilizados, segundo pesquisa realizada pela Assurant em março de 2018 com a sua base de clientes: 35% dos respondentes consideram esses serviços atrativos na hora de contratarem um seguro residencial, enquanto 15% valorizam o serviço de conserto de equipamentos.

  1. Os benefícios de proteger o lar podem ser usufruídos mesmo quando não ocorre um acidente ou roubo. Isso porque são oferecidos serviços de conveniência aos clientes em caráter emergencial, como visitas de eletricistas, encanadores, instalação de prateleiras, limpeza de ralos e calhas, ou até mesmo realização de pequenos reparos, durante todo o período de vigência do seguro ou microsseguro;
  2. O serviço de chaveiro também é um benefício que vale muito a pena, pois contempla abertura da porta e confecção de chave simples em caso de perda, quebra dentro da fechadura, roubo ou furto;
  3. Se houver sensação de perigo ou ameaça à família ou bens, é possível solicitar a presença de um vigilante durante a situação de risco;
  4. Há serviços também disponibilizados em grandes centros urbanos como PET Spa, delivery de ração e até um veterinário 24 horas para casos de urgência.

Fonte: Revista Apólice.

18/10 Dia do Médico – Seguro de Responsabilidade Civil para Profissionais da Saúde chega ao mercado.

 

O R C Profissional é um produto completo para proteção contra os principais riscos da profissão, com coberturas que incluem despesas de defesa, Indenizações, acordos entre outras situações.

 

 

 

 

Situações em que o seguro para médicos se aplica:

Omissão de Socorro

Caso o segurado, no caso o profissional de saúde, seja acusado de ter praticado omissão de socorro relacionado ao seu serviço profissional, o programa do seguro pode cobrir todas as despesas para a defesa judicial do segurado possibilitando que o mesmo lute para provar sua inocência.

Infecção Hospitalar

Caso o profissional de saúde seja citado em uma ação judicial decorrente de infecção hospitalar, com o paciente tendo contraído a infecção sob responsabilidade do segurado, o seguro cobrirá os gastos com defesa do segurado e eventual pagamento de indenização ao terceiro.

Chefe de Equipe ou Diretor

Caso o segurado pela apólice ocupe o cargo de chefe de equipe ou diretor médico, o presente seguro cobrirá a eventualidade mesmo que o ato médico tenha sido praticado por outro profissional sob responsabilidade do segurado.

Cobertura à Pessoa Jurídica

Caso o profissional segurado possua uma empresa para desempenho de atividades extra, e essa empresa sofra uma reclamação por determinado ato médico, o seguro pode ser acionado e estendido para defender a causa da pessoa jurídica.
Ficou curioso? Entre em contato conosco e conheça um pouco mais sobre esta modalidade de seguro.

 

 

 

 

FONTE: Argo Seguros

Aumento de roubos amplia oferta de ‘falsos’ seguros para celulares.

Uma pesquisa recente do Mobile Time/Opinion Box constatou que 49% dos brasileiros tiveram o celular roubado ou furtado ao menos uma vez. Como consequência, cresceu a procura por proteção para os aparelhos. E, assim como aconteceu no ramo de veículos, surgiram serviços alternativos ao seguro, de menor custo, mas que trazem riscos ao consumidor, entre eles o de não ser reembolsado.

Associações, cooperativas e empresas do chamado compartilhamento de risco se multiplicam, no que a Superintendência de Seguros Privados (Susep) chama de “mercado marginal” – impulsionado pela “proteção veicular”, que já virou caso de polícia – com ofertas que vão da área de saúde à assistência funeral. Trata-se de produtos vendidos como seguro, mas que não têm as mesmas garantias daqueles comercializados pelas seguradoras.

Carlos de Paula ressalta que, por não terem de responder a nenhum órgão superior, nem serem obrigadas a constituir reservas, as empresas sem registro na Susep podem não cumprir o prometido quando acionadas pelo consumidor.

Entre os novos serviços em oferta no mercado, houve até “seguro contra haters”. Na verdade era um plug-in para bloquear comentários maldosos em redes sociais. Depois de notificada pela Susep, a empresa suspendeu a oferta do produto.

 

FONTE: O Globo

Saiba como cuidar do seu pet na hora de viajar.

(Fonte: Porto Seguro Auto)

 

Chegam as férias, feriados ou fins de semana e a família toda está pronta para viajar. É muito comum a casa ficar vazia nesse período e não ter ninguém para tomar conta dos animais de estimação.

A solução, para não deixá-los sozinhos, é dar um jeito para levá-los junto. Para isso, são necessários alguns cuidados que garantam tanto a segurança do pet quanto a da família, principalmente na maneira de transportá-los.

Neste post, apresentaremos uma lista de cuidados necessários com o transporte de animais no em uma viagem

1-Caixa de transporte

Em caso de acidente de trânsito, um animal de 5 quilos pode ser arremessado com a força de 50 quilos. Além dos riscos de saúde, transportar os animais soltos no carro pode resultar em multa e até acarretar em apreensão do veículo.

Para garantir uma viagem segura, o motorista precisa estar concentrado no trajeto e sem a preocupação de onde e de como está o pet. Portanto, veterinários recomendam que os passeios sejam feitos com o cão ou gato devidamente acomodados, de forma que fiquem protegidos no caso de uma colisão.

Muitos resistem em usar caixas de transporte, pela sensação de confinamento que ela pode causar. Mas ela é bem segura e fácil de ser encontrada. Procure uma caixa que tenha aberturas e seja bem ventilada, para que o seu animal de estimação tenha um pouco de conforto. Por mais que só a caixa já pareça segura o suficiente, é necessário mantê-la fixa ao assento do carro.

Gatos vs. cachorros

Os gatos costumam gostar desse jeito de serem transportados e entram na caixa sem grandes problemas, pois é um ambiente confortável e isolado. Já no caso dos cães, a situação é um pouco mais complicada, pois alguns nem entram nesse formato e os que entram ficam irritados, mostrando que não gostam do local, devido à sensação de prisão.

Tamanho da caixa

Às vezes, o espaço pode aparentar ser grande o suficiente para que caiba o cachorro ou gato, mas lembre-se que é fundamental ter certeza disso. Quando for comprá-la, leve o pet junto para medir a caixa.

O espaço ideal não é menor nem maior, mas o suficiente para o conforto. Se a caixa for muito grande, ela perde a função de segurança, pois o espaço sobrando permite que, em situação de acidente, o pet bata nas laterais, podendo se ferir.

2-Bolsas e cadeirinhas

Geralmente, as bolsas e cadeirinhas para transporte no carro são feitas de lona com outros tecidos e, por isso, são confortáveis e também apresentam segurança.

A maioria das bolsas e cadeirinhas possui cintos internos e devem ser anexadas ao banco. Esse método é adequado para animais de pequeno porte, que não pesam mais do que 10 quilos.

3-Cintos de segurança

Os cintos de segurança são indicados para cães. Nele, o cão fica sentado no banco traseiro bem como qualquer outro passageiro humano. É bem fácil de usar, versátil e atende a todos os portes de animais, sendo a preferida para os pets maiores.

Além de ser adaptável aos diferentes tipos de veículos, é ergonômica e segura. Costuma ter preço acessível e funciona como um peitoral que é prendido no mesmo local do cinto de segurança.

4-Paradas programadas

Além dos métodos para transporte o ideal é que sejam feitas paradas a cada duas ou três horas, no máximo, quando o percurso for longo.

Durante esses descansos, encontre um local adequado para que seu pet faça as necessidades e tome um pouco de água. Mantenha-o preso a uma coleira e também recolha a sujeira que ele fizer.

5-Alimentação

Não alimente o seu animal de estimação nas três horas anteriores a saída, evitando que ele fique enjoado, mesmo que ele esteja habituado a viagens e não costume ter náuseas nem vômito. Reduza, também, a quantidade de comida oferecida para não aumentar a defecação. Quando chegarem ao destino final, lembre-se de que ele precisa ganhar mais ração e finalizar a refeição.

Se o animalzinho for muito agitado ou mesmo com os cuidados ele passa mal, existem remédios para garantir um trajeto tranquilo, mas, para isso, consulte o veterinário. Cada pet tem características únicas de saúde, então o ideal é que o medicamento seja prescrito especialmente para cada um.

Espécies diferentes

Os animais mais transportados são gatos e cachorros. Mas, se você possui outra espécie, os cuidados na hora de sair de carro também são muito importantes. Roedores como porquinho-da-índia, hamster e as aves apresentam características ainda mais sensíveis a ambientes diferentes e estranhos.

Então, além de propiciar as condições de segurança, transportando-os nas próprias gaiolas, lembre-se de manter o local ventilado com temperatura e umidade controlados. É fundamental forrar bem para que eles possam fazer as necessidades, que no caso desses animais, geralmente, são mais difíceis de controlar. Abasteça-os, também, com água e alimento.

Cuide para que não fique nenhum objeto solto dentro da gaiola, pois o movimento do carro pode fazer com que ele se machuque.

Outros detalhes

  • Verifique com antecedência se o local onde irá se hospedar aceita animais de estimação;
  • Recolha as fezes do seu pet durante os passeios. Saia sempre com saquinhos plásticos;
  • Coloque identificação na coleira do seu bichinho, com nome e telefone, para caso ele se perca;
  • Consulte o veterinário antes da viagem e peça para que ele indique remédios básicos para caso de emergência;
  • Leve os documentos do pet, como cartão de vacina, por exemplo;
  • Não esqueça de preparar uma bagagem com a quantidade necessária de ração, potes para água e comida, além de outros utensílios como toalhas e cama/ colchão.

caes_e_gatos

Já contratou um seguro pet para o seu bichinho? Clique aqui e fale conosco para saber mais.

Foto: reprodução

Para que serve um seguro?

A pergunta parece simples, mas muita gente ainda não sabe a resposta, nem tampouco sobre como é fácil e rápido ter o seguro que você precisa. O vídeo a seguir responde essa e outras muitas questões. Confira:

 

 

Fonte: Escola Nacional de Seguros

Saiba porquê a sua empresa deverá investir em planos de saúde para os funcionários.

Nós já falamos aqui sobre os benefícios de cuidar da saúde dos funcionários de sua empresa. Já nesse post queremos reforçar especificamente os investimentos em planos de saúde, ainda que em tempos de crise.

Nosso país se encontra em um dos piores momentos econômicos da história, é verdade. No entanto, o desafio do empresariado em geral é saber enxergar formas para contornar a situação atual, sem perder de vista o foco de seu próprio negócio.

Funcionários que se sentem parte da instituição, que são pelas empresas contratantes considerados como importantes peças de todo um sistema maior, trabalham mais e melhor. Pesquisas demonstram que ambientes de trabalho cujo clima demonstra esse acolhimento por parte dos empregadores, possuem índices de produtividade mais elevados dada a satisfação de suas equipes.

Dessa forma, e apesar dos necessários “apertos de cinto” do momento, é preciso manter o foco no crescimento para não afundar de vez, e fazer uma diferenciação clara sobre aquilo que de fato trata-se de uma despesa a ser cortada ou não.

Quer conhecer as melhores opções de planos de saúde para você, sua família e seus funcionários? Clique aqui e fale conosco. Para nós será um prazer atendê-lo de nesse momento e ajudar a encontrar as melhores saídas.

ayumiseguros_contratarplanodesaudeFoto: reprodução

Saiba a importância de controlar o uso do EPI na sua empresa.

A implementação do uso de EPI, ou equipamento de proteção individual, é obrigatória por lei.

Entretanto, ainda que benéfica ao trabalhador, já que protege sua integridade física e saúde evitando a gravidade de lesões e fatalidades em acidentes de trabalho, nem sempre é fácil. Muitas vezes o próprio trabalhador não faz o uso adequado do equipamento, ou simplesmente o ignora, ainda que o mesmo seja distribuído gratuitamente pelas empresas.

No entanto, a implementação e acompanhamento do uso cabe exclusivamente ao empregador, que deverá ser responsabilizado pelo dano sofrido pelo empregado se comprovada a ausência de treinamentos e controle. Em contrapartida, e caso não exista nenhum motivo plausível para a falta de uso do equipamento pelo trabalhador, esse poderá ser demitido por justa causa.

ayumiseguros_epi

Foto: reprodução

A prática de negociar: veja nossas dicas para se tornar um expert no assunto.

Nem sempre é fácil fechar bons negócios e a prática exige técnica e treino. Confirma a seguir as nossas dicas para você se tornar um hábil negociador:

Saiba se comunicar. Mas, saiba também ouvir. A negociação demanda interação entre as partes, mas se você deixar de ouvir o que o outro tem a dizer poderá perder a oportunidade de reconhecer (e usar) as necessidades dele para fechar a negociação.

Identifique necessidades. Não se prenda no que havia pré-definido como necessário para caminhar com a negociação. Saiba identificar novas necessidades e apresentar soluções apropriadas, transformando tudo em oportunidade.

Estabeleça limites. Ainda que seja bom manter uma postura flexiva em relação a eventuais e novas necessidades reconhecidas, saiba até aonde pode chegar e não prometa o que não poderá cumprir, nem tampouco aceite quaisquer condições.

Proponha soluções em que todos ganham. Muitas negociações pressupõem que para um ganhar o outro precisa perder, mas você pode propor soluções pautadas no famoso ganha-ganha. Por exemplo: você mantém o preço, mas torna o pagamento bastante facilitado.

Seja confiante. Muitos negócios não vingam, pois uma das partes transparece muita insegurança em relação ao assunto tratado. Se prepare, cumpra com a sua palavra e, mais importante, acredite na sua capacidade.

 

ayumiseguros_negociacao1

 

Foto: reprodução